29/11/2017

Oportunidades e desafios do setor lácteos são debatidos em evento no ITAL

O Instituto de Tecnologia de Alimentos (ITAL) realizou nessa quarta-feira (29), o evento “Inovação em Lácteos: Oportunidades e Desafios”, Campinas/SP. A proposta do evento era debater sobre as oportunidades e desafios de lácteos no Brasil e apresentar ao público a versão impressa do documento “Brasil Dairy Trends 2020” que tem como objetivo disseminar informações estratégicas, de forma pública e gratuita, gerando benefícios a milhares de empresas.

Estiveram reunidos representantes do setor, desde empresas, pesquisadores, professores e representantes de Associações como a Associação Brasileira de Leite Longa Vida (ABLV), Associação Brasileite das Indústrias de Sorvetes (ABIS), Sindicato da Indústria de Laticínios e Produtos Derivados do Estado de São Paulo (SindLeite) entre outras.

“Estamos vivendo um ano muito importante dentro do Instituto de Tecnologia de Alimentos. Tivemos a criação do NIT (Núcleo de Inovação Tecnológica) que, através do Decreto de Regulamentação das Leis de Inovação (Número 62.817), irá garantir mais segurança jurídica e incentivará as parcerias entre instituições pública e privada. Além disso, nosso Governador Geraldo Alckmin abriu o concurso público para vagas de pesquisadores que nos dá esperança e boas expectativas para o futuro, também iremos receber R$ 11 milhões referente ao PDIP do ITAL que foi aprovado pela FAPESP para modernização dos institutos de pesquisa, e por fim, esse grande lançamento da Série Trends – um documento rico de informações, cujo mercado é carente desse tipo de conteúdo e celebramos a sexta publicação nesse momento tão positivo para nós”, declarou Luis Madi, diretor geral do ITAL.

A Série Trends já abordou outros temas como alimentos em geral, embalagens, panificação, chocolates, balas e confeitos, bebidas não alcoólicas, e agora o setor lácteos. Essas publicações são gratuitas e estão disponíveis no site do Instituto: www.ital.sp.gov.br, gratuito, e têm como metas principais auxiliar no processo de inovação e fornecer para a sociedade brasileira produtos alimentícios de qualidade, agregando valores que permitem que o consumidor estabeleça uma relação estreita de identidade e confiança com o setor.

O evento foi dividido em duas etapas: no período da manhã aconteceu um painel com debate entre as lideranças do setor, com uma palestra ilustre de José Luiz Tejon Megido, Diretor do Núcleo de Agronegócio da ESPM, Comentarista da Rádio Jovem Pan e Conselheiro Fiscal do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS). “As empresas precisam conversar com a sociedade, falar sobre o leite, feijão, carne, é fundamental falar porque estes alimentos fazem bem. Nosso foco deve ser educar a sociedade. O consumidor consome o lado invísivel da coisa”, declarou.

Na parte da tarde, os participantes tiveram contaram com palestras dos autores do documento abordando temas inseridos nas Plataformas de Inovação definidas.

O documento “Brasil Dairy Trends 2020” abrange informações sobre produtos lácteos com probióticos, prebióticos e fibras, produtos com teores reduzidos de gordura, sódio e açúcar; com baixo teor de lactose; com alto teor de proteína e cálcio; e contendo peptídeos bioativos. Além disso, também constam no documento, temas como um levantamento histórico da produção de lácteos no Brasil e desenvolvimento de embalagens diferenciadas, dentre outros. O princípio que norteou a organização das tendências e das plataformas de inovação foi a identificação das macrotendências observadas nas avaliações dos setores técnico e mercadológico da área de laticínios no Brasil e também em nível mundial.

Além dos editores e também autores Raul Amaral Rego, Patrícia Blumer Zacarchenco e Ariene G. F. Van Dender, participaram da preparação do documento 20 pesquisadores do ITAL e de outras instituições e universidades como Universidade Estadual de Campinas (Unicamp); Universidade de São Paulo (USP); Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Rio de Janeiro (IFRJ); Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Paraná (IFPR); Universidade Federal de Juiz de Fora (UFJF); Universidade Federal de Viçosa e Embrapa GADO DE LEITE (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), o que garantiu uma análise ampla, diversificada e abrangente do assunto.

“Para nós é uma honra visualizar o quanto nossos institutos de pesquisa trabalham em prol da sociedade, pensando em produzir um alimento seguro para todos, de qualidade nutricional, envolvendo os aspectos de saudabilidade, sem deixar de lado os conceitos de sustentabilidade da cadeia”, finalizou Arnaldo Jardim, secretário de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo.